ACIRS
Bom dia, hoje é dia 20/05 e são

Sala de Imprensa: Notícias 17/04/2019

Ampliar/Diminuir Texto Imprimir Notícia

FACISC mantém Alto Vale em estudo que aponta desempenho econômico das regiões catarinenses em 2018

Análise faz parte da atualização do Índice de Performance econômica de Santa Catarina (IPER ? SC).


Foto: FACISC

O estado de Santa Catarina cresceu 7,1% em 2018, segundo a Federação das Associações Empresariais de SC, a Facisc. Os dados fazem parte do Índice de Performance Econômica de Santa Catarina divulgado nesta terça-feira,16/4. O Iper-SC registrou crescimento de 7,12% no ano de 2018 comparado ao ano de 2017, com ajuste sazonal. É o segundo ano consecutivo que o índice registra crescimento para o estado desde 2016, ano que o índice obteve o maior resultado negativo da série histórica.

Segundo o presidente da Facisc, Jonny Zulauf, o Iper-SC e o PIB catarinense traduzem a realidade estadual. “Em compasso ao que ocorre com outros indicadores conjunturais, tanto o IPER-SC como a estimativa para o PIB de 2018 do estado segue mesma direção, ou seja, de recuperação e acima da média nacional”.


ALTO VALE NA LISTA DAS REGIÕES COM QUEDA NO CRESCIMENTO

As regiões do estado que registraram maior crescimento foram: Vale do Itajaí (10,18%) e Norte (8,23%). As que tiveram maior recuo foram Alto Vale (-1,18%), Planalto Norte (-1,09%) e Oeste (-0,21%), sendo o resultado estadual de 7,12%.

O economista da Federação, Leonardo Alonso Rodrigues, detalha que quando comparado o resultado do quarto trimestre de 2018 em relação ao terceiro trimestre do mesmo ano, a região que se destaca é o Noroeste que registrou crescimento de 6,48% no período, em seguida, a região Extremo Sul com avanço de 3,16% e na sequência o Extremo Oeste com crescimento de 2,25%. As regiões que registraram variação negativa foram a Serra (-0,83%), Planalto Norte (-0,55%), Vale do Itajaí (-0,49%) e Norte (-0,23%) para um resultado estadual de 0,11% nesta base de comparação.

Para o presidente da Associação Empresarial de Blumenau, Avelino Lombardi, o crescimento do Vale do Itajaí se dá por conta de maior movimentação nos portos e do comércio exterior, além de ser uma região caracteristicamente industrial, setor esse que vem se recuperando a frente de outros setores no estado. “O crescimento econômico do Vale do se deve à diversificação de sua economia, ao crescimento e desenvolvimento das pequenas e médias empresas, ao crescimento contínuo do segmento industrial tradicional e a força do sistema cooperativo”.

Na comparação do quarto trimestre de 2018 em relação a igual período de 2017, a região que se destaca novamente é o Noroeste que registrou crescimento de 7,67% no período, em seguida, a região Norte, Extremo Oeste e Vale do Itajaí com crescimento de 6,80%, 5,44% e 5,42% respectivamente. Nesta base de comparação 7 regiões registraram queda, sendo a de maior impacto a região do Planalto Norte (-3,12%). O resultado estadual nesta análise foi de 4,47%.

ESTATÍSTICAS

O economista da Federação, Leonardo Alonso Rodrigues, explica que entre as treze variáveis que compõe o IPER – SC, nove registraram crescimento, puxadas principalmente às relacionadas ao comércio exterior (exportações 28,04% e importações 23,19%). Do outro lado, quatro delas obtiveram resultados negativos, sendo as ligadas ao crédito como as operações de crédito (-5,91%) e financiamentos imobiliários (-1,27%) e as outras duas: empregos no setor agropecuário e depósitos à vista que tiveram queda de -2,49% e de -0,33% respectivamente.

PIB DO ALTO VALE TAMBÉM APRESENTA QUEDA

A Facisc prevê que para o ano de 2018 é estimado um crescimento do PIB catarinense de 3,24%. Nesta estimativa as regiões que mais cresceram foram o Vale do Itajaí (5,43%) e Norte (3,27%). As regiões do Alto Vale, Planalto Norte e Oeste a estimativa é de queda de -0,51%, -0,40% e -0,12% respectivamente. “O PIB divulgado pelo IBGE tem uma defasagem de pelo menos dois anos quando se fala em informações regionais, que foi um dos motivadores para a construção do IPER, com o índice podemos acompanhar de maneira mais atualizada o que ocorre em termos de movimento econômico de forma atual e regionalizada”, explica o economista.

DIFERENÇA ENTRE O IPER-SC E O PIB CATARINENSE

O que acaba diferindo o Iper e o PIB é que o Iper capta e mensura mais a movimentação econômica como um todo, relacionando indicadores de atividade a níveis municipais e regionais de frequência mais recorrente. No Iper são analisadas 13 variáveis divididas em 5 categorias. O PIB é soma dos valores adicionados por setores de forma mais ampla, sendo a soma dos bens e serviços produzidos no estado. Devido a essas características o que difere é a magnitude das variações, porém, a direção e sentido caminham de igual forma, é o que analisamos com a série histórica que possuímos das duas variáveis.

METODOLOGIA DO IPER

A construção do IPER foi dada pela metodologia de análise de componentes principais utilizando 13 variáveis de atividade econômica classificadas em 5 categorias. Para o ajuste sazonal foi utilizado o procedimento de X12 – ARIMA. Para mais informações acesse o link: http://facisc.org.br/economia/

REPORTAGEM: Assessoria de imprensa da FACISC

Voltar


Balanço de ações sociais

quantos somos:
638
associados
Junte-se a Nós
Associe-se!
Endereço Rua Herculano Nunes Teixeira, 105
Térreo, Budag - 89165-478
RIO DO SUL / SC

Contato Telefone: (47) 3531-0500
E-Mail: acirs@acirs.com.br
Newsletter Fique por dentro de tudo
que acontece na ACIRS.

Todos os direitos reservados - ACIRS - 2014 - WLive!